cópia de Centro Livros.JPG

esse blog nasceu de um constante mergulhar em mim mesma e no universo ao meu redor. Perguntar-nos 'Quem sou eu?' é pra que estamos aqui!


this blog was born from a non-stop dive into myself and the universe around me. To ask onself 'Who am I?' is what we are here for!

feridas de amor

feridas de amor

Tantas vezes penso sobre a dificuldade que todos temos na relação com os objetos primordiais de amor das nossas vidas! As projeções, a necessidade de aprovação, as raivas contidas, os laços entretecidos de amor, cuidados e expectativas.

Compreender melhor os vários aspectos que nos unem e separam de nossos pais é de importância tão fundamental no processo terapêutico porque é nessas relações que se formam as nossas feridas de amor. E poder olhar para elas com mais profundidade para curá-las, faz todo sentido, na minha visão que se aprofunda cotidianamente no consultório.

Costumo dizer que precisamos olhar para nossos pais como 4 figuras; nosso pai e o homem que ele é, nossa mãe e a mulher que ela é. Só assim podemos começar a separar o que é nosso e o que é consequência de ter tido como mãe uma mulher do tipo Ana ou Márcia,  e como pai um homem do tipo Augusto ou José! 

Olhar para suas personalidades, desejos, frustrações, belezas, limitações e virtudes para além da maternidade ou paternidade que exerceram para nós, nos possibilita ir limpando, clareando, compreendendo, perdoando e assim escolhendo qual versão de nós mesmos queremos colocar no mundo. Aquela mais profunda e verdadeira de nós, ou Self para Jung, ou aquela Persona moldada pelas experiências e emoções vividas ao longo da vida, e que vai nos tornando alguém reativo e automático, sem escolha consciente?

Ver essa transformação ao longo do processo terapêutico é o que mais me encanta no ser humano! 

férias pra dentro de mim

férias pra dentro de mim

o bach centre que me encantou

o bach centre que me encantou