cópia de Centro Livros.JPG

esse blog nasceu de um constante mergulhar em mim mesma e no universo ao meu redor. Perguntar-nos 'Quem sou eu?' é pra que estamos aqui!


this blog was born from a non-stop dive into myself and the universe around me. To ask onself 'Who am I?' is what we are here for!

não é ou, é e!

não é ou, é e!

Tenho refletido muito sobre isso ultimamente.

Como vivemos, cada vez mais, nesse mundo do Ou. Ou sou a favor do Bolsonaro Ou sou petista. Ou defendo o saber acadêmico e científico e desqualifico todos os outros saberes, Ou descarto toda e qualquer ciência e digo mentiras e leviandades. Ou sou esposa, recatada e do lar, Ou sou feminista radical… tudo tão tão tão limitado….

Cada vez mais penso que precisamos trabalhar o E.

Se penso na dinâmica psíquica segundo Jung e no conceito de enantiodromia - segundo o qual para uma força exacerbada na consciência há uma força de mesma intensidade no sentido oposto no inconsciente - penso que o Ou é exatamente o exagero que gera esse funcionamento da psique entre extremos, excluindo todas as outras possibilidades.

Se penso ainda no conceito de SELF para Jung, uma força centralizadora e organizadora da psique, totalidade da psique, o si-mesmo que se é, a totalidade das possibilidades do Ser.

Penso mais ainda que precisamos trabalhar o E.

O saber científico, acadêmico e metodológico é extremamente importante para a soma dos saberes da humanidade. E todos os outros saberes, como a cultura, os conhecimentos ancestrais, regionais, saberes humanos que desde sempre foram transmitidos de forma intuitiva, coletiva… também o são. Na mesmíssima medida.

Os gêneros são definidos socialmente. Claro. Mas negar que há influências biológicas, hormonais e arquetípicas ancestrais e anímicas que também contam nesse processo a mim parece absurdo.

Mulheres E Homens E LGBTQI’s E Crianças E Idosos. Ocidente E Oriente. Corpo E Alma E Matéria E Espírito E Tudo E Todos E…

Precisamos treinar o pensamento do novo tempo, da Era de Aquário, da ligação entre Tudo E Todos. E precisamos começar criando pontes. Es. Para podemos chegar num círculo de possibilidades que abarquem mais partes de nós E do Todo.

Sinto que é um movimento inevitável na história presente e futura da nossa sociedade neste planeta. Mas precisamos trabalhar muito nisso! E logo E sempre!

*Foto “Blue Books” by Hilma Af Klint no Museu Guggenheim em Nova York - Dez/18.

forma e fundo

forma e fundo

sinto, logo existo!

sinto, logo existo!